Explosão em fábrica clandestina de ‘espadas’ deixa homem gravemente ferido em Cruz das Almas

Veja os riscos do consumo excessivo de licor
22 de junho de 2019
Brasil registra quase 600 mil casos confirmados de dengue em 2019
25 de junho de 2019

Explosão em fábrica clandestina de ‘espadas’ deixa homem gravemente ferido em Cruz das Almas

Um homem de 34 anos ficou gravemente ferido após uma explosão em uma fábrica clandestina de fogos de artifício conhecidos como ‘espadas’ na tarde desta de quarta-feira (19), em Cruz das Almas, no recôncavo da Bahia. Segundo a Polícia Civil, ele manuseava os explosivos quando ocorreu a explosão.

Simônidas de Castro França Júnior foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado em seguida para Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus. Conforme a polícia, ele será autuado por fabricação de artefato explosivo e explosão, e ficará à disposição da Justiça, assim que receber alta médica.

Ainda de acordo com a polícia, foram apreendidos no imóvel 219 artefatos, uma furadeira e uma máquina de moer café utilizada para processar pólvora. A polícia informou que periciou o local e abriu inquérito para investigar o caso.

MP atua em esquema especial durante o São João

Tradicional destino turístico nas festividades do São João na Bahia, Cruz das Almas conta este ano com atuação intensificada do Ministério Público (MP). Durante os festejos juninos, que ocorrem entre os dias 20 e 24, promotores de Justiça e servidores do MP atuam na distribuição de panfletos, adesivos e cartilhas educativas com o intuito de coibir as guerras de espada, que também são tema da campanha ‘A vida vem antes da tradição’, realizada pelo órgão. 

Conforme o MP, a campanha tem como objetivo alertar e conscientizar a população sobre o perigo da prática de soltar espadas, que é um crime previsto no Estatuto do Desarmamento.

Durante o lançamento da campanha, a chefe do Ministério Público baiano, Ediene Lousado, ressaltou que o direito individual não pode se sobrepor ao interesse social. “As pessoas não têm a devida compreensão dos riscos e consequências da guerra de espadas. O que devemos preservar do São João é a tradição das comidas típicas, da dança e da música”, afirmou. 

Já o promotor de Justiça Marcos Pontes, coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal (Caocrim), afirmou que o objetivo principal é conscientizar a comunidade e impedir que essa guerra de espadas continue. “Não podemos permitir que pessoas tenham sua vida ceifada e até mesmo quem não queira estar na guerra de espadas seja atingido e/ou tenha seu patrimônio dilapidado”, afirmou.

Com a chegada das festas juninas, cuidado com os fogos deve ser redobrado

O comandante do 16º Grupamento do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, tenente-coronel Valdemir Matias, lembra que nesta semana o STF manteve decisão que proíbe guerra de espadas. O oficial disse que contraindica a manipulação de qualquer tipo de fogos de artifício, com o objetivo de reduzir o número de vítimas de queimaduras e preservar a integridade física das pessoas. “Os hospitais registram um aumento considerável no número de atendimentos durante os festejos juninos. Esses artefatos oferecem riscos não apenas para quem manuseia, mas para toda a sociedade, já que costumam atingir pessoas que passam aleatoriamente pelos locais onde há utilização desse tipo de material. Além das queimaduras, existem ainda os riscos de lesões extremamente graves que podem ocasionar na perda de membros do corpo”, alerta o comandante dos Bombeiros.

Na microrregião de Cruz das Almas, que é conhecida pela tradição de guerra de espadas, a referência na área é o Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus (HRSAJ), que possui uma Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ), que conta com 21 leitos de internamento, salas de curativo e de balneoterapia, equipe multiprofissional e dispõe de alta tecnologia para curativos de ponta e alta precisão. 

Esta semana, já houve um aumento de cerca de 5% no número de queimados, por conta dos festejos juninos. O médico Antônio Carlos Assunção, diretor técnico do Hospital, dá algumas dicas para evitar o crescimento do número de casos. “A orientação mais importante é: crianças não devem manipular fogos de artifício. A segunda é que queimadura deve ser lavada apenas com água corrente, sem sabão, e a vítima deve ser levada imediatamente a uma unidade de saúde, para avaliação médica”.

Fonte: noticiasdesantaluz.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Nosso WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: