Flamengo x River Plate: quem tem o elenco mais “copeiro” entre os finalistas da Libertadores?

Santaluz: homem fica gravemente ferido após ser espancado e agredido com pedradas e golpes de picareta
23 de novembro de 2019
Casa lotérica de Valente é assaltada e bandidos abandonam moto na zona rural de Coité
23 de novembro de 2019

Flamengo x River Plate: quem tem o elenco mais “copeiro” entre os finalistas da Libertadores?

Levantamos títulos de rubros-negros e millionários que estão em Lima. Argentinos levam melhor no continente, mas brasileiros têm mais glórias de peso. Quem aumenta currículo neste sábado?

Enquanto o Flamengo chega à sua segunda final de Libertadores depois de 38 anos, o tetracampeão River Plate disputa sua terceira decisão nas últimas cinco edições do torneio. Historicamente, o time argentino tem muito mais fama de “copeiro” – uma espécie de conquistador de copas mata-mata – do que os rubro-negros. Mas será que os títulos da carreira dos atuais elencos refletem essa diferença em campo?

Para efeito de comparação, o GloboEsporte.com levantou todas as conquistas dos jogadores de cada clube inscritos nessa fase final da Libertadores e de seus técnicos*. E deu empate: 135 títulos para cada um. Sem contar os estaduais, os Millonários têm bem mais campeonatos no currículo, mas os rubro-negros deixam bem equilibrado a questão da experiência em campeonatos de maior relevância mundial.

River: maior força continental

Jogadores do River Plate comemorma o título da Libertadores em 2018 — Foto: Reuters

No River, destaque para 14 nomes campeões da Libertadores e três bicampeões, além de um título da Sul-Americana. Na Recopa Sul-Americana, troféu disputado entre os vencedores dos dois maiores torneios do continente a cada ano, são mais 17 jogadores campeões, dois bi e um tri. Sem contar que o treinador Marcelo Gallardo já conquistou todas as três competições.

A maioria dos títulos são em âmbito nacional, na Argentina, mas há também atletas campeões nos países vizinhos por Colômbia, Uruguai, Chile, Paraguai e até no Brasil, caso de Lucas Pratto, ganhador do Campeonato Mineiro pelo Atlético-MG. Além disso, outros sete jogadores conquistaram campeonatos na Europa por Portugal, Espanha, Alemanha, Bélgica e Grécia.

Há ainda dois campeões internacionais no Japão: Ponzio e Marcelo Gallardo ganharam com o próprio River Plate em 2015 a Copa Suruga, troféu disputado em jogo único entre o campeão da Copa Sul-Americana e o da Copa da Liga Japonesa.

– À medida que passam os anos, obviamente vamos ganhando experiência nos jogos internacionais para podermos estar onde estamos. Isso não é vitória única. Diante de tudo, friso a importância do grupo, dos companheiros, que nos faz sentir à vontade, privilegiados, e hoje podermos estar defendendo as cores do River. Isso se deve a eles também – disse o goleiro Armani.

– Para que cada ano estejamos lutando por um título da Copa e estar no ponto mais alto. Acredito que, no aspecto pessoal, eu dê muita importância ao grupo. O grupo é copeiro. Tento, acima de tudo, colocar à frente de tudo os companheiros

Flamengo: títulos mais relevantes

Flamengo comemora o título do Campeonato Carioca em 2019 — Foto: André Durão

Na contramão do River, o Flamengo tem apenas quatro jogadores campeões continentais na América do Sul: Willian Arão, com o Corinthians na Libertadores de 2012 e na Recopa Sul-Americana de 2013; Rodrigo Caio e Rhodolfo, ambos pelo São Paulo na Copa Sul-Americana de 2012; e Berrío, com o Atlético Nacional, da Colômbia, em 2016.

Em compensação, o elenco rubro-negro tem mais conquistas internacionais fora da América do Sul: uma Champions League e uma Supercopa da Europa com Rafinha pelo Bayern de Munique em 2013; enquanto Filipe Luís é tricampeão do segundo torneio pelo Atlético de Madrid em 2010, 2012 e 2018. Além disso, tem três títulos do Mundial de Clubes com Rafinha, também pelo Bayern de Munique em 2013; com Willian Arão, pelo Corinthians em 2012; e com Diego, pelo Porto em 2004.

Somando os títulos pela Seleção, os rubro-negros somam uma Copa das Confederações com Filipe Luís em 2013; três Copas América com o próprio Filipe Luís em 2019 e duas com Diego, em 2004 e 2007; além de duas medalhas de ouro nos jogos Olímpicos de 2016 com Gabigol e Rodrigo Caio.

– Isso de ser copeiro eu não entendo muito bem. Falaram isso antes dos jogos contra Inter e Grêmio, mas fomos muito bem. É 50% x 50%. O River é um grande time, atual campeão, mas sinto o Flamengo tranquilo e confiante. Temos que desfrutar e ter responsabilidade – disse o goleiro Diego Alves.

– O River, como atual campeão, chega com moral elevada, ganhou do seu rival máximo na Argentina. E nós também fizemos por merecer para chegar nessa final. O River tem um time experiente, e nós estamos com jogadores que querem conquistar esse primeiro título. Acho que vai ser um bonito jogo. Isso de buscar quem é melhor, o que vai ser, acho que o resultado vai dizer.

Se pelo lado do Flamengo há 46 campeonatos estaduais, como Carioca, Paulista, Mineiro, Gaúcho, Catarinense, Paranaense, Pernambucano e Goiano, pelo lado do River há vários campeonatos nacionais em um mesmo ano, como é tradição nos outros países sul-americanos: Apertura, Clausura, Superfinal etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Nosso WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: